6 controles financeiros fundamentais para o sucesso do seu CFC

“Redução de custos” parece ter se tornado a palavra de ordem para as empresas modernas. Exigida por um mercado bastante competitivo e com pouca margem para erros, essa necessidade é repetida quase como um mantra por consultores corporativos, dia após dia.

Como é de se esperar, os gestores de um CFC não podem ficar alheios a essa questão. Embora possua características próprias e exclusivas, a autoescola também precisa ampliar seus ganhos – ou, no mínimo, mantê-los estáveis – com a maior economia possível.

Nesse post, vamos apresentar algumas sugestões de controles financeiros e planejamento, que ajudam a manter o negócio competitivo, ao mesmo tempo em que auxiliam na obtenção de indicadores que permitem uma melhor gestão da empresa e a definição das suas estratégias. Acompanhe. 

1. Fechamento diário de caixa

Trata-se de um dos controles financeiros básicos e, ao mesmo tempo, mais essenciais para garantir a saúde financeira do CFC. Basicamente, diz respeito ao registro de todas as entradas e saídas de dinheiro realizadas no dia, de maneira que, ao final, seja apurado o saldo existente no caixa da empresa.

O objetivo de fechar o caixa é identificar erros no registro de operações ou, em casos mais graves, eventuais desvios de recursos. A ideia é que as diferenças encontradas sejam resolvidas no mesmo dia: em caso de erros, deve-se corrigi-los; se forem detectados desvios, o gestor deve tomar as providências que julgar cabíveis.

2. Acompanhamento bancário

É recomendável que esse também seja um dos controles financeiros diários, e deve ser feito o registro de todas as operações que implicaram em movimentos na conta bancária da empresa durante o dia. O gestor deve controlar saldos, pagamentos realizados (ou agendados) e recebimentos diversos, de modo que tenha uma visão clara da situação do CFC.

Esse é um dos controles financeiros que têm duas finalidades: confrontar os lançamentos gerados pelo banco com a efetiva realização de movimentos da empresa e avaliar os saldos bancários, verificando se esses são suficientes para realizar os compromissos do período.

3. Contas a pagar e receber

Outro tipo de controles financeiros básicos, ele consiste em organizar os valores que o CFC precisará desembolsar (pagamento de oficinas, funcionários, multas, aluguel etc.), bem como dos recebíveis (serviços prestados com pagamentos a prazo, matrículas, aulas, atuação como despachante, dentre outros).

Com ele, o gestor pode ter uma visão plena do comportamento financeiro da empresa em determinado período, além de identificar eventuais problemas, como a ocorrência de clientes inadimplentes. Mais que isso, esse controle proporciona a possibilidade de planejar investimentos e estabelecer prioridades para o pagamento de obrigações.

4. Controle das vendas

Aqui, devem ser analisados todos os negócios realizados pela empresa em determinado período, que pode ser diário, quinzenal ou mensal. Entram na conta todos os serviços efetivamente vendidos, independentemente da forma de pagamento ou prazo para realização.

Assim, com um domínio amplo de sua “produção”, a empresa tem condições de se organizar financeiramente de modo a atender às exigências do mercado e, até mais importante, planejar seu crescimento e ampliação do negócio.

5. Relatório mensal de despesas

Diz respeito ao registro, em períodos mensais, dos gastos realizados pela empresa. Esse é um dos controles financeiros que permitem uma visão analítica, em médio prazo, sobre a evolução das saídas de dinheiro do CFC.

Uma análise conjunta desse relatório, compreendendo vários meses, permite a identificação da necessidade de redução de custos em determinados processos. Isso pode ser o gatilho para a criação de campanhas de conscientização entre os funcionários, dentre outras medidas para economia de recursos.

Outro indicador que pode ser obtido a partir do controle mensal é a ocorrência de despesas sazonais, que, quando são devidamente identificadas, permitem que a empresa as inclua no planejamento anual e elimine surpresas.

6. Cálculo de retorno sobre o investimento

Embora seja mais usado no mercado financeiro, o retorno sobre investimento (ROI) é uma ferramenta gerencial importante na gestão de qualquer empresa. Trata-se da relação entre o dinheiro aplicado e o retorno obtido, mostrando se o investimento gerou resultado e onde estão as oportunidades de melhoria.

Em termos práticos, o ROI não é exatamente um controle, mas a verificação e confirmação dos resultados da empresa a partir dos elementos fornecidos pelos itens citados anteriormente.

Em resumo, os controles financeiros são ações essenciais para a continuidade do negócio, e com o auxílio de sistemas e bancos de dados, é possível obter indicadores valiosos para a tomada de decisões assertivas. 

Mais que isso, uma solução informatizada, se bem escolhida e com o suporte especializado, pode proporcionar de maneira simples e efetiva os elementos necessários para o controle financeiro do CFC.

Gostou do post? Entre em contato conosco para saber mais sobre soluções voltadas para a gestão de um CFC e até a próxima. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *