Qual a contribuição do instrutor de trânsito para um alto índice de aprovação?

O Instrutor de Autoescola desempenha um importante papel social, contribuindo para a formação de condutores conscientes e um trânsito mais humano. O que é bom para o aluno e também para o seu CFC.

 

Atrair e reter talentos é um dos grandes investimentos que uma Autoescola pode fazer. Afinal, a qualificação do instrutor de trânsito e de toda a equipe é um fator decisivo para o bom desempenho operacional. E também para a manutenção da imagem da instituição no mercado.

Nessa dinâmica, colaborador e empresa precisam evoluir juntos, fazendo com que os benefícios dessa boa relação sejam valiosos para ambas as partes.

Quais os requisitos para ser um instrutor de trânsito?

Manter um corpo técnico habilitado e capacitado para preparar futuros condutores de forma prática e teórica está entre as responsabilidades de uma Autoescola.

Além de um papel social, essa é também uma exigência legal para o funcionamento destes Centros de Formação.

Portanto, além de uma visão empreendedora, é necessário que o CFC se comprometa com a qualidade do seu ensino. O que traz como requisito o investimento na qualificação dos seus colabores.

Nessa realidade, alguns requisitos são exigidos por lei. Para cumpri-los os instrutores de Autoescola precisam ter:

  • No mínimo 21 anos de idade;
  • Ensino médio completo;
  • No mínimo um ano na categoria “D”;
  • Não ter sofrido penalidade de cassação de CNH;
  • Não ter cometido nenhuma infração de trânsito de natureza gravíssima nos últimos 60 (sessenta) dias;
  • Curso de capacitação específica para a atividade com carga horária de 180 horas aulas.

Para além de um bom currículo

Um bom profissional, além da formação acadêmica necessária, precisa reunir outras habilidades para que ele seja bem sucedido na sua tarefa de ensinar.

Afinal, quando falamos em educação, além de um bom currículo, a lista de aptidões que forma um bom profissional se expande e ganha novos contornos.

Ter vontade de compartilhar seu conhecimento, transformar a vida das pessoas, fazer do trânsito e do mundo um lugar melhor são belos exemplos. E em tempos onde as pessoas têm valorizado cada vez mais o significado do seu trabalho, essa pode ser uma grande oportunidade.

Sobretudo, porque o amadurecimento e a motivação desse profissional vai contribuir na consolidação de uma imagem positiva do seu CFC.

A qualificação do instrutor é peça chave no CFC

Uma boa gestão, entre outras qualificações, precisa saber potencializar os atributos positivos dos seus colaboradores e aperfeiçoar pontos que precisam de melhorias.

Por isso, uma Autoescola que deseja manter um bom índice de aprovação, precisa investir nos seus instrutores, atualizando-os no que diz respeito à legislação e a metodologia de ensino.

Nesta relação, mais do que salários adequados, reter instrutores de alto nível exige oferecer condições ideais de trabalho e um clima que favoreça as boas relações.

A rotatividade é despesa, a motivação é lucro

A qualidade de vida é uma questão bastante valorizada atualmente e por isso merece atenção também dentro do seu CFC.

Ao desenvolver essa boa relação, a gestão se aproxima do profissional e pode identificar grandes oportunidades de crescimento. E ainda, economizar.

Afinal, a grande rotatividade de profissionais costuma pesar no caixa da empresa. Sem contar nos danos que ela pode trazer a imagem da instituição.

Lembre-se: sem motivação não há lucros. Os Centros de Formação que sabem como reter talentos e desenvolver suas equipes, certamente são também aqueles que ganharão mais destaque no mercado.

Agora que você já conhece os benefícios da qualificação do instrutor de trânsito para o crescimento da sua empresa, queremos ouvir a sua opinião. Compartilhe com a gente as práticas que você tem adotado para valorizar este profissional e motivar a sua equipe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *