Simulador de direção na autoescola não é mais obrigatório, mas pode ser vantajoso

Impacto positivo ou negativo? A desobrigação do simulador de direção divide opiniões entre gestores de CFCs. Com o uso facultativo, há liberdade de escolha. E sabendo explorar as vantagens, ele se torna um grande diferencial.

 

As mudanças previstas pelo Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN) já eram esperadas pelos donos das CFCs desde junho de 2019. No dia 16 de setembro elas se confirmaram. Dentre elas, o treinamento em simulador de direção na autoescola deixou de ser obrigatório.

A partir de agora, o equipamento será facultativo. Se dispuser do simulador, o aluno poderá fazer até cinco horas de aula no equipamento.

Para alguns é um gasto desnecessário. Para outros, mais uma forma de agregar valor à autoescola. E para você?

Vale lembrar que é necessário ficar de olho na legislação de seu Estado (no Rio Grande do Sul, por exemplo, uma decisão do TRF-4 de agosto de 2019 manteve a obrigatoriedade das aulas).

Aulas facultativas no simulador de direção

  • As novas regras reduziram de 25 para 20 o número total de horas de aulas práticas para a categoria B.
  • Destas, até 5 horas de aula podem ser feitas no simulador.
  • O número de horas de aula noturnas foi reduzido de 5 para 1, que também pode ser feita no simulador.

Segundo a Agência Brasil, a intenção do governo ao desobrigar o uso do simulador é desburocratizar etapas do processo de formação do condutor.

“Ninguém conseguiu demonstrar que isso tem importância para formação do condutor. Nos países ao redor do mundo, ele não é obrigatório, em países com excelentes níveis de segurança no trânsito também não há essa obrigatoriedade.” Tarcísio Gomes de Freitas, ministro da Infraestrutura

Por outro lado, a Federação Nacional das Autoescolas (Feneauto) emitiu nota afirmando que “o simulador vai agregar muito ao aprendizado porque o aluno vai estar ambientado com o automóvel antes de realmente guiá-lo nas aulas práticas”.

A Associação Nacional de Fabricantes de Simuladores Profissionais enfatizou que “o simulador possibilita vivenciar algumas condições adversas, como chuva, neblina ou pedestres que atravessam as vias sem sequer olhar”.

A discussão é rica e há pontos positivos e negativos a serem considerados. Mas com o fato dado de que não há mais a obrigatoriedade, pelo menos para a maioria das autoescolas, nos cabe agora avaliar se vale a pena investir no simulador. Vamos ver algumas vantagens?

Simulador de direção na autoescola: 5 vantagens

Opção atrativa para os alunos

Muitos jovens estão dispostos a pagar até R$ 3 mil reais nos chamados cockpits para video games. São simuladores compatíveis com jogos de corrida e direção de veículos.

Os simuladores de autoescolas, ainda que possuam um objetivo bem diferente, guardam muitas semelhanças com tais “brinquedos”. Eles também possuem pedais, câmbio e volante. Mas são ainda mais realistas, pois contam com visão completa das janelas, para-brisas e retrovisores.

Vale ainda lembrar que a participação cada vez maior das pessoas em redes sociais contribui muito para a cultura dos games. Tanto que existe até uma tendência de mercado chamada gamification, que promove a interação do público com as empresas com que tem afinidade utilizando recursos de jogos eletrônicos.

Enfim, não vão faltar entusiastas dessa inovação.

Apoio para os mais inseguros

O pânico de quem nunca segurou um volante não pode ser subestimado.

A possibilidade de se familiarizar com a direção em um ambiente seguro e controlado, sem correr riscos reais, é ideal para alunos com pouca ou nenhuma experiência no volante.

Como a simulação é realista ao extremo, incluindo bancos, cinto de segurança outros equipamentos de um carro comum, o aluno tem a oportunidade de treinar tudo o que fará em um veículo real.

E tudo isso sem sair para a rua. Ou seja, a pressão psicológica é reduzida drasticamente, assim como os riscos de pequenos acidentes, que são bem maiores nas primeira aulas práticas.

Com simulador o aluno aprende primeiro o básico, e tem até 5 oportunidades de se familiarizar antes de encarar a realidade.

Ajuda também o fato de que não existe aprovação ou reprovação, reforçando um clima mais lúdico e descontraído.

Eficiência pedagógica

Desde o aprendizado do uso de empilhadeiras até o treinamento para pilotar aviões, a eficiência do uso de simuladores no aprendizado é, sim, comprovada.

Primeiro porque ele treina autocontrole e autoconfiança em condições adversas. Segundo, porque a fixação do que foi aprendido nas aulas teóricas é mais eficaz, pois o aluno recebe alertas a cada erro cometido.

A repetição em situações comuns aumentar a habilidade progressivamente e cria a consciência de segurança, resultando em um menos acidentes.

São oferecidos programas de treinamentos padronizados, com exercícios ao longo de trajetos simulados para alunos iniciantes ou avançados. Além disso, o desempenho do usuário na aula é enviado ao Detran pela internet. E analisar dados é sempre uma ótima forma de promover melhorias.

O resultado disso tudo é bem objetivo: índices maiores de aprovação.

Segurança em aulas noturnas

Muitas autoescolas relatam problemas com a obrigatoriedade das aulas noturnas por motivos de segurança. O problema foi solucionado em parte com a redução do número dessas aulas.

Mas mesmo uma única aula oferece riscos. Bairros com alta taxa de criminalidade ou locais ermos geram insegurança para o instrutor e, principalmente, para o aluno, além de colocá-los em risco.

Mas agora a Lei traz um alento maior neste caso, pois é possível que o aluno cumpra a obrigatoriedade da aula noturna no simulador.

A princípio pode parecer estranho, mas o simulador reproduz com fidelidade as condições de direção no período noturno. E não apenas neste caso.

O treinamento pode ser feito em várias situações adversas, como dirigir sob chuva ou neblina. Nem sempre é possível viver essas situações nas aulas práticas de rua.

O computador permite vivenciar todos os efeitos dessas situações, como baixa visibilidade e variações na frenagem.

Tempo de formação do condutor

Ao contrário do que muitos afirmam, o simulador não torna o processo de obtenção da CNH mais lento.

Na verdade ele agiliza esse processo, pois ao possibilitar aulas noturnas em qualquer horário e evitar a exposição a riscos de acidentes, a tecnologia abrevia o tempo entre a entrada do aluno na autoescola e a emissão do documento.

Também não há aumento da carga horária das aulas, e sim uma substituição.

Hora da decisão

Se você já tem um simulador de direção na autoescola, não há por que não utilizá-lo a seu favor, considerando tudo o que dissemos aqui.

Se você  não tem, pode até cogitar a aquisição, pois sem a obrigatoriedade o equipamento automaticamente se torna um diferencial.

Entre as desvantagens podemos destacar duas:

  1. O custo do simulador de direção na autoescola é alto. Mas não é assim com toda melhoria que você implanta em seu negócio?
  2. A obrigatoriedade. Mas esta já deixou de existir.

Se ainda não conseguiu decidir, que tal fazer uma pesquisa entre seus alunos para saber se existe demanda?

 

25 erros de atendimento que afetam a prospecção de alunos na autoescola

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *